FIM DA MESMICE - o hóspede não quer apenas quarto com cama e comida mas uma experiência enriquecedora
- Anúncios -
Accor Hotels
Compartilhe:

Oposto a países como os Estados Unidos, 70% dos hotéis brasileiros são independentes, e apenas 30% estão atrelados a redes. O problema é que,

salvo honrosas exceções, operar isoladamente promove várias disfuncionalidades operacionais e econômicas. Em geral, é um modelo de negócios equivocado e obsoleto, que acaba por ignorar a experiência acumulada do setor, levando cada novo empreendimento a praticamente “reinventar a roda”.

As redes hoteleiras se consagraram mundialmente como forma inteligente de otimizar recursos, reduzir custos e, o mais importante, facilitar a vida do viajante. “As redes permitem estabelecer padrões e processos, beneficiar-se do valor da marca, e melhor gestão dos canais de distribuição”, comenta Patrick Mendes, CEO para a subsidiária brasileira e para a região latino-americana da Accor.

 

Tornar-se a maior rede do país não ocorreu por acaso. Outros tentaram, mas não conseguiram.

PayPal

Redes nacionais, como a Othon, se estabeleceram bem antes que a Accor, mas parecem ter perdido o trem da inovação. Ao dormir sobre os louros, hoje sobrevivem como pálida sombra do passado glorioso.

Tampouco a maioria das multinacionais da hotelaria foram longe em seus empreendimentos. Ou não vieram ao país a tempo. Ou até entraram, mas desistiram no meio do caminho. Ou preferiram concentrar suas baterias em outros destinos. Ou optaram por atuar em nichos, como luxo ou resorts.    

O sucesso da hotelaria francesa Accor no Brasil é resultado de uma aposta de longo prazo. Desde 1977 há um projeto hoje materializado em um rico portfólio de marcas que atende todos os segmentos, do luxo (como Sofitel e Pullman), midscale (como Novotel, Mercure e Adagio) e econômico (como ibis).

 Na sua trajetória recente no Brasil, a Accor tem uma dívida de gratidão com Roland de Bonadona, seu ex-CEO e atual consultor. Um dos franceses mais brasileiros do país, ele se formou em Administração e Sociologia na França. Recém aposentado após 42 anos de serviços para a corporação, está em São Paulo desde 1989, de onde nunca mais saiu. Sob sua batuta, a rede se consolidou como a maior do país.

 A Accor conta hoje com 266 hotéis em operação na América do Sul, dos quais 233 no Brasil. Com 12 mil colaboradores na região, a meta é chegar a 2020 com 500 hotéis, 400 deles no Brasil. Para isto, estão projetados investimentos de R$ 8 bilhões.

Desde 2015, o energético Patrick Mendes substitui Bonadona como CEO do grupo para a região. Também francês, está na empresa desde 1994, e no Brasil há cinco anos. Aqui, comandou as operações de diversas marcas da Accor. Antes, trabalhou na subsidiária de Portugal e depois em vendas globais. Graduado pela INSEAD, sua experiência profissional inclui ainda a passagem por grandes redes hoteleiras internacionais na Europa.

Mendes reconhece em Bonadona o responsável pela herança da sólida base de negócios.

Se a substituição de um executivo completo e carismático não é tarefa fácil, ele enfrenta o que talvez seja seu maior desafio. Precisa promover a rápida transformação da rede, tornando-a mais moderna para acompanhar a evolução dos novos tempos. Para isto, tem que atender a um público cada vez mais formado pela geração dos millennials, que desconhece o mundo sem digitalização e redes sociais.

“A hotelaria é uma velha dama que precisa ser rejuvenescida”, define Mendes. A seu favor, conta com uma gestão mundial bem mais generosa em flexibilidade nas normas rígidas que caracterizam as adotadas pelas corporações. Ele ganhou a benção de Paris para usar uma fórmula de operação onde 70% é padronização, e 30% espaço para inovação. Neste último, tem carta branca para desligar o piloto automático e entrar em ação com o talento.

 O sucesso da Accor é uma ótima notícia para todos que acreditam na viabilidade de redes hoteleiras no Brasil. É um case de que dá para realizar um trabalho em equipe sem estrelismos, onde a sucessão das lideranças ocorre  de forma natural, sem percalços. “Se Bonadona foi o grande costureiro da Accor no Brasil, Patrick Mendes é hoje seu melhor alfaiate”, define com precisão Toni Sando, presidente da Visite São Paulo, ele próprio um ex-executivo da rede.

Compartilhe:
- Anúncios -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here