Por causa dos custos absurdos, sediar os Jogos Olímpicos tornou-se um tremendo abacaxi
- Anúncios -
Accor Hotels
Compartilhe:

O que antes era considerada uma honra, agora virou um imenso abacaxi. Mesmo diante da oportunidade de ampliar a visibilidade global, ano a ano menos destinos se mostram interessados em entrar nesta “roubada”.

Sombria realidade

Uma matéria do jornal inglês The Telegraph expõe o problema sem piedade. Revela que metade das seis candidatas a anfitriãs das Olimpíadas que vai ocorrer em 2024 pularam fora do barco. Hamburgo, Roma e Boston desistiram, deixando na disputa apenas Paris, Los Angeles e Budapeste. Mas o número foi ainda mais reduzido, depois que o governo húngaro tomou uma decisão de sair com base numa petição de 260 mil cidadãos que pediu para retirar a candidatura. Acabou numa espécie de acordo de cavalheiros, onde Paris assumiu a realização em 2024 e Londres ficou para 2028.

Nos últimos oito anos os custos médios das Olimpíadas mais que quadruplicaram para U$16,2 bilhões
Falta de candidatos

A queda de interessados a cada temporada é dramática. Basta dizer que em 2008 dez cidades participaram da disputa, vencida por Beijing. Quatro anos depois, Londres enfrentou oito rivais. Em 2016, o Rio disputou com seis. Já para 2020 apenas só três se apresentaram: Tóquio, Madrid e Istambul.

O maior culpado? Custos. Só nos Jogos Olímpicos de Inverno de Sochi, a Rússia investiu U$ 50 bilhões – recorde de todos os tempos. Foi mais que os U$ 40 bilhões gastos pela China nas Olimpíadas de Beijing em 2008.

O salto dos custos tornou-se o maior recorde olímpico e está afastando cidades de sediar o evento
PayPal

Nem sempre foi assim. Estudo da Universidade de Oxford mostra que entre 1968 e 2010 as despesas com os Jogos eram em média U$ 3.6 bilhões. Mas isto mudou. Nos dois últimos eventos os custos mais que quadruplicaram para U$ 16.2 bilhões. Pior: os orçamentos estouraram em média 167%.

Preço alto

Nas cidades onde Olimpíadas ocorreram, os Jogos se foram, mas os danos financeiros ficaram. Atribui-se aos pesados débitos contraídos em 2004 boa parte dos problemas econômicos enfrentados pela Grécia. Montreal levou 30 anos para colocar seus cofres em ordem depois dos jogos de 1976.

Nem mesmo os ganhos em turismo parecem compensar. Basta olhar as cidades como Atenas, Sidney e Rio, onde hoje áreas construídas para os eventos viraram elefantes brancos, inúteis e sem manutenção.

Rio afogado
Passadas as fanfarras da cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos do Rio veio a triste realidade do abandono

O Rio de Janeiro é um triste exemplo que todos conhecem. O legado incompleto e decadente que sobrou dos Jogos incomoda até o Comitê Olímpico Internacional. Há instalações provisórias ou com planos pós-evento que jamais se materializaram. Como o centro aquático, o parque olímpico na zona pobre da cidade, em Deodoro. Ou a Vila dos Atletas com seus 3.600 apartamentos abandonados.

Sem uso e manutenção cara, o estádio aquático do Rio virou esqueleto arquitetônico.
Dos 27 estádios construídos no Rio apenas 12 foram usados mais de uma vez depois das Olimpíadas
Do imponente Centro de mídia sobrou apenas este monte de entulhos
Os 3.600 apartamentos da Vila dos Atletas hoje estão vazios e abandonados, à espera de melhores dias.

Ninguém sabe o que fazer com estes mausoléus. Viraram monumentos que homenageiam o desperdício e a displicência. “Desmontem estas estruturas, pois elas não foram feitas para durar!”, implora Christophe Dubi, Diretor Executivo da organização. Mas quem dá ouvidos a ele?  

 

Compartilhe:
- Anúncios -

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here